Terra registrará Eclipse Solar

Terra registrará Eclipse Solar no dia 21 de agosto

  Na segunda-feira, 21 de agosto de 2017, toda a América do Norte registrará um eclipse do sol. Qualquer pessoa no caminho da penumbra poderá ver uma das mais impressionantes imagens da natureza – um eclipse solar total. Esse caminho, no qual a lua cobrirá completamente o sol, vai se estender de Lincoln Beach, Oregon até Charleston, Carolina do Sul. Observadores fora dessas regiões ainda verão um eclipse solar parcial onde a lua cobre parte do disco solar.

Quem poderá vê-lo? 

Muitas pessoas! Todos nos Estados Unidos, de fato, todos na América do Norte, mais partes da América do Sul, África e Europa verão pelo menos um eclipse solar parcial, enquanto o caminho da totalidade, caminho até a cobertura total do sol, passará por porções de 14 estados. 

O que é isso? 

Esse é um evento celestial, um fenômeno no qual a lua passa entre o sol e a Terra e bloqueando-o totalmente ou parcialmente por até três horas. Para esse eclipse, o período mais longo em que a lua bloqueia completamente o sol de qualquer local, dado ao longo do caminho da totalidade, será de cerca de dois minutos e 40 segundos. A última vez que os Estados Unidos viram um eclipse total foi em 1979.

 Onde você pode vê-lo? 

Você pode ver o eclipse parcial, onde a lua cobre apenas uma parte do sol, em qualquer lugar da América do Norte. Para ver um eclipse total, onde a lua cobre completamente o sol por alguns minutos, você deve estar no caminho da totalidade, que alcançará cerca de 110 quilômetros de largura, que atravessando os EUA do Oeste ao Leste. O primeiro ponto de contato será em Lincoln Beach, Oregon, às 9h05. A totalidade começará lá às 10:16 da manhã. Durante as próximas horas, atravessará Oregon, Idaho, Wyoming, Montana, Nebraska, Iowa, Kansas, Missouri, Illinois, Kentucky, Tennessee, Geórgia e Carolina do Norte e do Sul. O eclipse total terminará perto de Charleston, Carolina do Sul às 2:48 p.m. A partir daí, a sombra lunar sairá dos Estados Unidos às 4:09. A duração mais longa será perto de Carbondale, Illinois, onde o sol ficará completamente coberto por dois minutos e 40 segundos. 

Proteja seus olhos

Você nunca deve olhar diretamente para o sol sem proteção apropriada durante um eclipse, exceto no momento da cobertura total. Isso poderia ferir gravemente seus olhos. No entanto, existem muitas maneiras de visualizar com segurança um eclipse do sol, incluindo visualização direta – o que requer algum tipo de dispositivo de filtragem e visualização indireta por meio da qual você projeta uma imagem do sol em uma tela. Ambos os métodos devem produzir imagens claras da fase parcial de um eclipse.

Eclipses solares podem estar chegando ao fim

O fim dos Eclipses solares 

Durante o eclipse solar total em 21 de agosto, os observadores do céu dirigirão a maior parte de sua atenção para o sol, mas não se esqueçam da lua: o progresso lento longe da Terra significa que esses eventos celestiais não continuarão acontecendo para sempre.

O eclipse solar total do próximo mês irá atravessar os EUA continentais, de Oregon para a Carolina do Sul ao longo de um trecho de terra de cerca de 110 quilômetros de extensão. Um eclipse solar total ocorre apenas quando o disco da lua passa entre a Terra e o Sol, bloqueando brevemente a luz brilhante do sol e lançando uma longa sombra no planeta.

Um eclipse total é uma dança com três parceiros: a lua, o sol e a Terra, segundo comunicado de cientistas da NASA, e só pode acontecer quando há um alinhamento da lua e do sol no céu.

Eclipse total e parcial, entenda as diferenças

Os eclipses solares totais ocorrem porque a lua e o sol têm, aparentemente, o mesmo tamanho quando vistos no céu daqui da Terra – o sol é cerca de 400 vezes maior do que a lua, mas a lua é aproximadamente 400 vezes mais próxima da Terra.

No entanto, a lua está lentamente se afastando da Terra, algo em torno de 4 centímetros por ano, de acordo com a declaração da NASA. Como resultado, os eclipses solares totais deixarão de existir em um futuro distante, uma vez que o tamanho aparente da lua no céu terrestre será muito pequeno para cobrir o sol completamente.

Com o tempo, o número e a frequência dos eclipses solares totais diminuirão, afirmam especialistas. Dentro de cerca de 600 milhões de anos, a Terra experimentará a beleza e o drama de um eclipse solar total pela última vez, ressaltam.

Por enquanto, um eclipse solar total é visível de algum lugar na superfície da Terra uma vez a cada 18 meses, em média. No entanto, ver um eclipse solar total de um local específico é raro, porque a sombra interna da lua é relativamente pequena, o que limita a área da qual o eclipse total é visível, de acordo com um vídeo da NASA sobre o papel da lua em um eclipse solar. É preciso estar no lado ensolarado do planeta e estar no caminho da sombra da lua, explicam funcionários da NASA no vídeo.

A importância da Lua

Mas note que os eclipses solares parciais, em que a lua obscurece apenas uma parte do sol, são visíveis em uma área muito maior. As duas partes da sombra da lua, a umbra e a penumbra, determinam o tipo de eclipse que um observador vê na Terra. A umbra da lua, ou a sombra interna escura, é a parte da sombra da lua onde todo o sol é bloqueado pela lua. A penumbra é onde apenas uma parte do disco do sol está obscurecida.

A maioria dos mapas de eclipse que destacam o caminho da totalidade mostram um círculo escuro que representa a umbra. No entanto, de acordo com o vídeo, a ‘verdadeira forma da umbra é mais como um polígono irregular com bordas ligeiramente curvas’. As características na superfície da lua determinam a forma da umbra.

Usando dados do Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA (LRO), os cientistas da NASA conseguiram mapear a superfície lunar em detalhes sem precedentes, mostrando as montanhas e vales que afetam a luz solar passando e a forma subsequente da sombra da lua durante um eclipse solar total, de acordo com o vídeo.

Esses mapas topográficos, juntamente com os dados de elevação da Terra, permitem aos cientistas determinar as áreas exatas da Terra que se enquadram no caminho da totalidade para o eclipse solar de 21 de agosto.

Os dados também ajudam os cientistas a prever melhor quando e onde os observadores do céu verão as ‘contas de Baily’, os pontos irregulares de luz visíveis ao redor da borda da lua durante um eclipse solar total. Esse fenômeno é causado pelos últimos raios de luz solar que atravessam os vales de montanhas escarpadas da lua, e ocorre por apenas alguns segundos, antes e depois da totalidade.

Então, quando você procurar o eclipse solar no dia 21 de agosto – se você estiver vendo um eclipse total ou parcial – certifique-se de admirar a lua, bem como o sol.